terça-feira, 17 de outubro de 2017

A literatura feminina – I (ed. 14/10/2017)

Descrição para cegos: foto da escritora Ana Adelaide Peixoto falando ao microfone, no estúdio, durante a entrevista.
Semana passada, quando se realizou aqui em João Pessoa o 1º Encontro Nacional do Mulherio das Letras, o Espaço Experimental discutiu a literatura de autoria feminina, que cresce e se impõe apesar das interdições e preconceitos. Foram convidadas para falar sobre o assunto as escritoras Ana Adelaide Peixoto e Letícia Palmeira. A produção foi de Gabriela Güllich, Luíza Araújo e Marina Cabral.

A literatura feminina – II (ed. 14/10/2017)

Descrição para cegos: foto da escritora Letícia Palmeira no estúdio, falando ao microfone. Atrás dela veem-se alguns alunos assistindo à entrevista.

Semana passada, quando se realizou aqui em João Pessoa o 1º Encontro Nacional do Mulherio das Letras, o Espaço Experimental discutiu a literatura de autoria feminina, que cresce e se impõe apesar das interdições e preconceitos. Foram convidadas para falar sobre o assunto as escritoras Ana Adelaide Peixoto e Letícia Palmeira. A produção foi de Gabriela Güllich, Luíza Araújo e Marina Cabral.

domingo, 15 de outubro de 2017

O movimento separatista de 1817 – I (ed. 14/10/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Serioja Mariano no estúdio, durante a entrevista.
Faz dois séculos que a partir da Paraíba e Pernambuco, lideranças insatisfeitas com a sujeição do Brasil à coroa portuguesa tentaram implantar uma república no nordeste brasileiro, movimento que ficou conhecido como Revolução de 1817. Sobre o assunto o Espaço Experimental entrevistou a professora Serioja Mariano, do Departamento de História da UFPB, doutora em História com estudo sobre as oligarquias da Paraíba no período em que eclodiu o movimento. A produção foi de Douglas de Oliveira.

O movimento separatista de 1817 – II (ed. 14/10/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Serioja Mariano no estúdio, durante a entrevista.
Faz dois séculos que a partir da Paraíba e Pernambuco, lideranças insatisfeitas com a sujeição do Brasil à coroa portuguesa tentaram implantar uma república no nordeste brasileiro, movimento que ficou conhecido como Revolução de 1817. Sobre o assunto o Espaço Experimental entrevistou a professora Serioja Mariano, do Departamento de História da UFPB, doutora em História com estudo sobre as oligarquias da Paraíba no período em que eclodiu o movimento. A produção foi de Douglas de Oliveira.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Livro discute política e a cultura do brega pernambucano (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Thiago Soares sorrindo para a câmera.
No seu novo livro, o professor Thiago Soares aborda o caráter político do brega e a sua presença na cultura pernambucana. A obra Ninguém é Perfeito e a Vida é Assim surge no meio da discussão sobre a Lei do Brega. A Lei estabelece uma cota de participação do gênero nos eventos culturais do estado. Thiago Soares é jornalista e professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da instituição. Mais informações com a repórter Jéssica Xavier.

Pesquisa avalia como jornalismo digital é abordado na academia (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Cláudia Quadros olhando para a câmera. Atrás dela vê-se um espaço amplo, bem iluminado, onde circulam pessoas e se realiza uma feira de livros.
O trabalho está sendo feito pela professora Cláudia Quadros, da Universidade Federal do Paraná. Com essa avaliação, ela pretende entender como as pesquisas nas instituições brasileiras de ensino tratam o ciberjornalismo. O projeto de pesquisa tem como objetivo avaliar todas as teses e dissertações de programas de pós-graduação em Comunicação do Brasil. A análise envolve universidades públicas e privadas e a primeira fase da pesquisa foi concluída no Sul do país. Em entrevista à repórter Marina Cabral, a pesquisadora explicou a proposta. Cláudia Quadros é professora de Comunicação Social na UFPR.


segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Professor explica atividades da galeria de artes do CCTA (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto da placa da galeria. Nela aparece a palavra "galeria" escrita na vertical, seguida da imagem do desenho da ave e, em seguida, com letras manuscritas, na horizontal, a palavra "lavandeira".

A Galeria Lavandeira é um espaço para exposições artísticas na Universidade Federal da Paraíba. Ligada no Centro de Comunicação, Turismo e Artes, recebe obras tanto de alunos do curso de Artes Visuais, quanto das demais graduações. A repórter Gabriela Güllich entrevistou o professor Gabriel Bechara, docente do Curso de Artes Visuais e um dos gestores do espaço.


Pesquisa descreve situação de crianças e mães encarceradas na Paraíba (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto de Alice Maria Ramos sorrindo para a câmera.
Alice Maria Santos Ramos é a autora do trabalho intitulado Cárcere e Infância: o direito das crianças de mães encarceradas. A advogada realizou a pesquisa para obtenção do título de Mestre em Direitos Humanos pela Universidade Federal da Paraíba. O estudo abordou a situação do Centro de Reeducação Feminina Maria Júlia Maranhão. Mais informações com o repórter Cephas Castro.

domingo, 8 de outubro de 2017

Evento busca desconstruir imagem da mulher muçulmana oprimida (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto de Wéllida Karla Bezerra sorrindo para a câmera. Ela usa um véu colorido cobrindo todo o cabelo.
O I Encontro de Mulheres Muçulmanas ocorrerá na próxima terça-feira, no auditório do Centro de Educação na UFPB. Coordenado pela professora Wéllida Karla Bezerra, busca desmitificar preconceitos acerca da religião islã, principalmente os que envolvem mulheres. A inciativa é do Programa de Pós-Graduação em Ciência das Religiões da UFPB, do qual Wéllida é doutoranda. Mais informações com a repórter Carolina Jurado.

Seminário debateu violência contra indivíduos LGBT (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto de Daniela Santa Brígida sendo entrevistada. Diante dela aparece uma mão segurando um smartphone próximo à sua boca.
O I Seminário Nacional de Bissexuais ocorreu nos dias 22 e 23, no Campus da UFPB em João Pessoa. Na abertura do evento, foi discutido o tema Bissexualidades, suas tipificações e intersecções nas manifestações da bifobia. Os debatedores foram Daniela Santa Brígida, integrante da Articulação Brasileira de Lésbicas, e Alex Ku Tse, do Coletivo Primavera Bi. Mais informações com o repórter Cephas Castro.

Minicurso expôs avanço do ativismo virtual contra o machismo (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Margarete Almeida na sala de aula, sorrindo para a câmera. 
Ministrado pela professora Margarete Almeida, o minicurso Mulheres para Hackear o Patriarcado ocorreu segunda e terça-feira na UFPB. Teve como principal tema a importância do feminismo em redes virtuais como auxílio para mulheres em situação de violência de gênero. As participantes conheceram campanhas cibernéticas contra o machismo e a homofobia, como as hashtags #nemumamenos e #primeiroassédio. A repórter Laís Suassuna entrevistou Margarete Almeida, professora do curso de Jornalismo da UFPB. Ela é Coordenadora do GEM, Grupo de Estudo e Pesquisa em Gênero e Mídia.

sábado, 7 de outubro de 2017

Evento na UFPB discutiu inadequação da reforma da previdência (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Marcos Serau olhando para a câmera. Atrás dele, aparece a porta de entrada do hall da reitoria da UFPB.
O seminário Reforma da Previdência: aspectos jurídico, econômico e demográfico ocorreu segunda-feira, no auditório da Reitoria. Foi promovido pelo projeto de extensão Aspectos Fundamentais da Previdência no Brasil. Teve o apoio da OAB, da Aduf-PB e do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário. Os convidados discutiram a incompatibilidade da reforma com a realidade brasileira. Compuseram a mesa os professores Marcos Aurélio Serau Júnior, da Universidade Federal do Paraná; Luana Junqueira Dias Myrrha, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte; e Marcelo Sitcovsky, da UFPB. Em sua exposição, o professor Marcos Serau ressaltou a inconstitucionalidade de vários aspectos propostos na reforma. Tratou ainda das reduções das pensões por morte e aposentadorias especiais e rurais, além do processo de desmonte da previdência pública. O repórter Samuel Amaral entrevistou o professor Marcos Serau para o Espaço Experimental. Ele é da diretoria do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário.

Evento do curso de Relações Internacionais discutiu sustentabilidade (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Henrique Menezes olhando para a câmera.
Trata-se da VI Semana Acadêmica de Relações Internacionais, que ocorreu da terça a sexta-feira desta semana, na UFPB. As discussões foram norteadas pelos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, lançados pela da ONU em 2015. O professor Henrique Menezes, que participou da organização do evento, concedeu entrevista ao repórter Luan Alexandre. Ele é chefe do Departamento de Relações Internacionais na UFPB.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Estudo analisa atuação do ministério público em ações contra anistia de torturadores (ed. 30/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Heloísa Clara sorrindo para a câmera.
O trabalho foi realizado por Heloísa Clara Gonçalves, no Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos da UFPB. A pesquisa estudou as ações judiciais propostas pelo Ministério Público contra militares que cometeram crimes na época da ditadura. Em 1979, já no findar do regime militar brasileiro, foi editada a Lei da Anistia. Ela perdoou os crimes considerados políticos e os crimes praticados por funcionários públicos e militares para manutenção do regime. A repórter Luciana Duarte entrevistou Heloísa Clara para o Espaço Experimental.

Evento na UFPB discutiu atualidade social e política de Guiné-Bissau (ed. 30/9/2017)

Descrição para cegos: foto de uma das mesas de debate do evento, com professores e convidados. À direita se vê um banner com a marca do Neabi e, à esquerda, as bandeiras do Brasil, de Guiné-Bissau e da UFPB. 
A quarta edição da Comemoração da Independência da Guiné-Bissau ocorreu de 21 a 23 de setembro. O evento foi uma realização da comunidade guineense da UFPB com o apoio do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-brasileiros e Indígenas – o Neabi. O aniversário de independência do país africano foi comemorado com palestras, debates e mostras cultural e gastronômica. A repórter Jéssica Soares tem mais informações.

domingo, 1 de outubro de 2017

Jornada debateu Estatuto do Nascituro e projeto de lei sobre aborto (ed. 30/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Socorro Borges sorrindo para a câmera.
O projeto Gênero e Direito: Jornadas de resistência feminista promoveu de quarta a sexta-feira a II Jornada Feminista na UFPB. O evento reuniu ativistas dos direitos das mulheres da Paraíba para dialogarem sobre liberdade sexual e direitos reprodutivos. Na quinta-feira, também foi celebrado o 28 de setembro, Dia de Luta pela Descriminalização do Aborto na América Latina. A repórter Laís Suassuna entrevistou Socorro Borges, ex-secretária da Secretaria Extraordinária de Políticas Públicas para as Mulheres de João Pessoa. Ela é integrante da Articulação de Mulheres Brasileiras.

UFPB promoveu marcha solidária de homens contra o machismo (ed. 30/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Ricardo Moreira olhando para a câmera.
A primeira caminhada Eles por Elas aconteceu na última quinta-feira e percorreu as ruas do campus da UFPB em João Pessoa. Organizada pela Universidade em parceria com a ONU Mulheres, reuniu homens a favor da equidade de gênero. O evento teve como objetivo a conscientização sobre empoderamento feminino e a violência contra as mulheres. A repórter Laís Suassuna entrevistou Ricardo Moreira, organizador da caminhada. Ele é professor de Engenharia de Produção na UFPB.

Professor defende criação de Código de Direito e Bem-Estar Animal da Paraíba (ed. 30/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Francisco Garcia sorrindo para a câmera.
Professor Francisco Garcia, Coordenador do Núcleo de Extensão em Justiça Animal da UFPB, é também um dos principais articuladores da proposta. O código visa dar amparo jurídico aos animais vítimas de crueldades e maus tratos. Veterinários, juristas, psicólogos, biólogos, ambientalistas e ONGs defensoras dos animais encabeçam a proposta. O texto do Código foi apresentado pelo deputado Hervázio Bezerra, do PSB, e está em tramitação na Assembleia Legislativa. Mais informações com o repórter Samuel Amaral.


sábado, 30 de setembro de 2017

O direito à cidade e o Varadouro Cultural – I (ed. 30/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Anne Nascimento, no estúdio, falando ao microfone.
O Espaço Experimental apresentou hoje uma entrevista em que destaca o papel dos movimentos sociais no direito à cidade, influindo desde o planejamento urbano até a aplicação das políticas públicas mais adequadas para os moradores. Foi entrevistada pela repórter Luíza Araújo a jornalista Anne Nascimento, mestra em Direitos Humanos na UFPB, autora do estudo Os movimentos sociais urbanos e a luta pelo direito à cidade: uma análise do Varadouro Cultural.

O direito à cidade e o Varadouro Cultural – II (ed. 30/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Anne Nascimento no estúdio, durante a entrevista, falando ao microfone.
O Espaço Experimental apresentou hoje uma entrevista em que destaca o papel dos movimentos sociais no direito à cidade, influindo desde o planejamento urbano até a aplicação das políticas públicas mais adequadas para os moradores. Foi entrevistada pela repórter Luíza Araújo a jornalista Anne Nascimento, mestra em Direitos Humanos na UFPB, autora do estudo Os movimentos sociais urbanos e a luta pelo direito à cidade: uma análise do Varadouro Cultural.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Comunidade de Rio Tinto mobiliza-se contra ação de despejo judicial (ed. 23/9/2017)

Descrição para cegos: foto de integrantes do movimento Oiteiro Resiste diante de uma casa, posando para a câmera.

A área reivindicada era chamada de “Engenho Preguiça”, situada nos limites dos municípios de Mamanguape e Rio Tinto. O pedido de reintegração de posse foi movido pela Companhia de Tecidos Rio Tinto em 2002. No entanto, a área já era ocupada pelas famílias dos atuais moradores desde antes de 1917, ano em João Lundgren, que viria a fundar a companhia, adquiriu as terras. Organizados em defesa da permanência na área, os moradores criaram o movimento Oiteiro Resiste. Recentemente, o movimento obteve uma vitória, com a suspensão temporária do despejo pela justiça. Mais informações com a repórter Gabriela Güllich.

Urariano Mota retoma temática da ditadura em novo romance (ed. 23/9/2017)

Descrição para cegos: imagem mostra capa do livro do lado esquerdo e o autor Urariano Mota do direito. A capa tem duas fotos colocadas na vertical. Na de cima, dos anos 60, uma manifestação de jovens contra a ditadura; na de baixo, de estudantes protestando contra fechamento de escolas. O nome do livro aparece na parte superior da capa e o do autor, no ponto em que as fotos se fundem. 

Lançado no último dia 14, A Mais Longa Duração da Juventude retrata pessoas que vivem pela luta política e revolucionária. Urariano fala sobre as pessoas que recusaram a envelhecer suas ideias ou, como diz um personagem, não perderam o tesão de mudar o mundo. A juventude que o autor narra, continua hoje nos jovens que protestam por uma educação melhor. Mais informações com a repórter Marina Cabral.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

João Pessoa sedia evento internacional de músicos de oboé e fagote (ed. 23/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Heleno Feitosa de pé, tocando fagote.

Será o I Encontro Internacional da Associação Brasileira de Palhetas Duplas, que congrega músicos de oboé e fagote. Acontece de quinta-feira a sábado, no Espaço Cultural. Na programação estão previstas conferências, concertos, oficinas e a realização de um concurso para jovens instrumentistas. Simultaneamente ao evento internacional, ocorrerá também o II Encontro Nordestino de Palhetas Duplas. Ambos são iniciativas da Associação Brasileira de Palhetas Duplas. Sobre o evento, o repórter Luan Alexandre entrevistou o professor Heleno Feitosa para o Espaço Experimental. Ele é mestre e professor de Fagote e Saxofone no Departamento de Música da Universidade Federal da Paraíba.

Ex-secretário narra em livro sua experiência como gestor (ed. 23/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Luiz de Souza Junior sentado, tendo um exemplar do seu livro nas mãos.

Em No Meio da Travessia - breves narrativas sobre gestão municipal da educação, Luiz de Sousa Junior faz uma reflexão sobre os dois anos em que esteve à frente da educação municipal. Segundo o professor, o livro registra o que não se encontra em manuais mas é importante para quem estuda e atua na gestão educacional. Mais detalhes com a repórter Luciana Duarte.

domingo, 24 de setembro de 2017

Inclusão da Psicopedagogia aprimora terapias de bebês com Down (ed. 23/9/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Márcia Paiva olhando para a câmera.

A incorporação é recente. No entanto, a Psicopedagogia atuando junto com a Fonoaudiologia, a Terapia Ocupacional e a Fisioterapia, novas possibilidades se abrem para o processo de estimulação cognitiva e linguística dos bebês. Na UFPB está sendo realizado o projeto de extensão Estimulação Precoce de Bebês com Síndrome de Down nos Aspectos Cognitivo e Linguístico. Ele é coordenado pelas professoras Herbênia Tavares e Márcia Paiva, do Departamento de Educação Básica. O intuito é contribuir para o desenvolvimento de crianças com a síndrome. Mais informações com a repórter Maria Clara Lima.

Evento discutiu atualidade das ideias de Foucault (ed. 23/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Miguel Ângelo à mesa do evento, falando em um microfone.

Os estudos do filósofo francês Michel Foucault foram debatidos em um painel e uma palestra que aconteceram segunda e terça-feira na UFPB. Foucault é conhecido pela transgressão de suas ideias e posicionamentos que revolucionaram a sociedade do século XX. O poder, a ética, a relação das pessoas com as instituições, o conhecimento, o gênero e a sexualidade são alguns dos temas por ele estudados. O evento foi organizado pelo Grupo de Pesquisa em Ética, Política e Filosofia da Diferença. O repórter Tiago Bernardino entrevistou o professor Miguel Ângelo para o Espaço Experimental. Professor do Departamento de Filosofia da UFPB, ele é um dos organizadores do evento.

Aluno de Foucault conta em livro a sua relação com o filósofo (ed. 23/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Roberto Machado sorrindo para a câmera.
O professor de Filosofia Roberto Machado teve, por quase uma década, a oportunidade de ser aluno e orientando de Michel Foucault. No livro Impressões de Michel Foucault, ele relata experiências vividas ao lado do filósofo francês e mostra o lado de Foucault como pessoa, como militante, e não apenas como o filósofo que revolucionou a forma de pensar no século XX. O livro foi lançado pelo professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro na última quarta-feira, na UFPB. O repórter Tiago Bernardino entrevistou Roberto Machado para o Espaço Experimental.

sábado, 23 de setembro de 2017

Evento na UFPB discutiu paz e conflitos mundiais (ed. 23/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Marcos Alan sentado à mesa da conferência, tendo diante de si uma placa com seu nome e uma garrafa d'água.

O II Encontro Brasileiro de Estudos para a Paz aconteceu de quarta a sexta-feira no Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Com o tema Consolidação da Paz e a Superação de Conflitos no Século XXI, visou refletir sobre os desafios que a humanidade enfrenta. A Rede de Pesquisa em Paz, Conflitos e Estudos Críticos em Segurança foi a responsável pela organização. Os debates focaram o contexto mundial da paz, violência na América do Sul e fomento para estudos nessas áreas. Marcaram presença estudiosos de Relações Internacionais, alunos e professores brasileiros, além de convidados estrangeiros especialistas. A conferência de abertura discutiu O Paradoxo da Paz e do Poder, com ênfase no século XXI. Para falar sobre o assunto, foram convidados os professores Marcos Alan, da UFPB, e Oliver Richmond, da Universidade de Manchester. A repórter Luíza Araújo entrevistou o professor Marcos Alan para o Espaço Experimental. Ele foi um dos coordenadores do evento.

Internacionalistas debateram formas de pensar a paz no século XXI (ed. 23/9/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Matijascici sorrindo para a câmera.

O debate fez parte do II Encontro Brasileiro de Estudos para a Paz, e teve como tema Pensar a Paz no Século XXI. Foi promovido pela Rede de Pesquisa em Paz, Conflitos e Estudos Críticos em Segurança. Os convidados discutiram o papel dos organismos internacionais na construção e manutenção da paz. Trataram ainda a escalada de tensão vivida externamente, com o conflito entre os Estados Unidos e a Coréia do Norte. Os diversos tipos de violência e os desafios para o estabelecimento da paz em zonas de conflito também foram questões levantadas. Compuseram a mesa os professores Ramon Blanco, da Universidade Federal da Integração Latino-Americana; Áureo Toledo, da Universidade Federal de Uberlândia; Mariana Baccarini, da UFPB; Fernando Ludwing, da Universidade Federal do Tocantins; e Vanessa Braga Matijascici, da Universidade Federal de São Paulo. Em sua exposição, a professora Vanessa ressaltou processos que engendram a violência, como o narcotráfico e o terrorismo. Tratou ainda da violência sexual praticadas nas forças armadas estadunidenses e nas missões de paz. O repórter Samuel Amaral entrevistou a professora Vanessa Braga Matijascici para o Espaço Experimental.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Evento discutiu ações dos profissionais na saúde mental e atenção primária (ed. 16/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor André Sassi olhando para a câmera.

O debate ocorreu na última quinta-feira, na UFPB. Fez parte do I Encontro de Saúde Mental: Discutir para Fortalecer, promovido pela Residência Multiprofissional em Saúde Mental. Teve como tema Saúde Mental e Atenção Primária: ações no território, que foi abordado pelo professor André Sassi e pela psicóloga Dayse Catão. André é docente do Departamento de Promoção da Saúde da UFPB. Dayse é representante do Conselho Regional de Psicologia na Comissão de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Em sua exposição, o professor André Sassi falou sobre sua experiência em Unidades de Saúde da Família de João Pessoa e sua atuação como supervisor do programa Mais Médicos na Paraíba. O repórter Samuel Amaral entrevistou André Sassi para o Espaço Experimental.

domingo, 17 de setembro de 2017

Encontro promoveu debate sobre políticas públicas para mulheres (ed. 16/9/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Juliana Sampaio sorrindo para a câmera.

O evento reuniu alunas e docentes da UFPB para exposição de projetos sobre segurança, saúde e educação das mulheres brasileiras. O diálogo ocorreu na segunda-feira 11, na UFPB. O Grupo de Estudos e Pesquisas em Serviço Social e Política Social na Contemporaneidade foi responsável pela organização. A discussão também destacou a importância do atendimento e tratamento hospitalar para auxiliar na autonomia dos corpos das mulheres. A repórter Laís Suassuna entrevistou Juliana Sampaio, Doutora em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz e professora da UFPB. Ela é líder do Grupo de Pesquisa Política, Educação e Cuidado em Saúde do Centro de Ciências Médicas.

Acadêmicos e chorões se encontraram em evento de música na universidade (ed. 16/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Eduardo Fiorussi olhando para a câmera.

O I Encontro de Choro da UFPB aconteceu quarta e quinta-feira, no Centro de Comunicação Turismo e Artes. A iniciativa foi do Departamento de Educação Musical e do Programa de Pós-Graduação em Música da UFPB. O evento contou com a presença de dois professores e músicos renomados da música popular brasileira: Henrique Cazes, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e Marco César, do Instituto Federal de Pernambuco. Eles ministraram oficinas e palestras. Constaram da programação concertos do Quinteto de Bandolins do Recife, de Marcos Andrade e de Guilherme Calzavara, além de roda de choro. A repórter Maria Clara Lima entrevistou Eduardo Fiorussi para o Espaço Experimental. Ele é professor do Departamento de Educação Musical da UFPB e um dos organizadores do Encontro.

Henrique Cazes ressalta a importância da intuição e do improviso no Choro (ed. 16/9/2017)

Descrição para cegos: foto do maestro Henrique Cazes durante a conferência. De pé, ele fala em um microfone.

O maestro foi o principal palestrante do I Encontro de Choro da UFPB. Sua palestra teve como tema o Improviso e a Fluência no Choro. Através da obra de Pixinguinha, Cazes destacou a necessidade de os instrumentistas deixarem fluir seus sentimentos durante o improviso no Choro. O repórter Robson Martins entrevistou o maestro Henrique Cazes para o Espaço Experimental.

sábado, 16 de setembro de 2017

Glue Trip – I (ed. 16/9/2017)

Descrição para cegos: foto do grupo em um show. O ambiente é escuro, com luzes coloridas, destacando-se 6 focos de luz que, de cima para baixo, incidem sobre os músicos que estão no palco, semi-encobertos pelo público. 

Neste sábado, o Espaço Experimental apresentou uma entrevista sobre a banda Glue Trip, recebendo Lucas Moura e Gabriel Araújo, que falaram sobre a concepção sonora do grupo e a repercussão dos trabalhos lançados aqui e no exterior. A produção foi de Duda Campos, Larissa Silvani e Vanessa Mousinho.

Glue Trip – II (ed. 16/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Lucas Moura (falando) e Gabriel Araújo durante a entrevista.

Neste sábado, o Espaço Experimental apresentou uma entrevista sobre a banda Glue Trip, recebendo Lucas Moura e Gabriel Araújo, que falaram sobre a concepção sonora do grupo e a repercussão dos trabalhos lançados aqui e no exterior. A produção foi de Duda Campos, Larissa Silvani e Vanessa Mousinho.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Fórum Forró de Raiz – I (ed. 9/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Joana Alves no estúdio, falando ao microfone, durante a entrevista.

O predomínio de outros gêneros musicais no elenco de atrações do São João de Campina Grande este ano desencadeou manifestações e críticas à organização do evento. Uma das consequências foi repor em evidência o Fórum Forró de Raiz, que existe desde 2011 e em novembro vai promover aqui em João Pessoa um encontro nacional em defesa do forró. Sobre essa situação, o Espaço Experimental entrevistou Joana Alves, Coordenadora do Fórum, e Júnior Limeira, compositor, cantor e apresentador de um programa dedicado à música regional na TV UFPB, o Nordeste Sim Sinhô. A produção da entrevista foi de Cephas Castro, Douglas de Oliveira e Samuel Amaral.



Fórum Forró de Raiz – II (ed. 9/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Junior Limeira no estúdio, falando ao microfone durante a entrevista.

O predomínio de outros gêneros musicais no elenco de atrações do São João de Campina Grande este ano desencadeou manifestações e críticas à organização do evento. Uma das consequências foi repor em evidência o Fórum Forró de Raiz, que existe desde 2011 e em novembro vai promover aqui em João Pessoa um encontro nacional em defesa do forró. Sobre essa situação, o Espaço Experimental entrevistou Joana Alves, Coordenadora do Fórum, e Júnior Limeira, compositor, cantor e apresentador de um programa dedicado à música regional na TV UFPB, o Nordeste Sim Sinhô. A produção da entrevista foi de Cephas Castro, Douglas de Oliveira e Samuel Amaral.

sábado, 9 de setembro de 2017

O imaginário e a barbárie – I (ed. 9/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Janaína Araújo no estúdio, falando ao microfone durante a entrevista.

Sequestro, estupro e assassinato foram os ingredientes de um caso de violência ocorrido em junho de 2015 no Bairro dos Bancários, em João Pessoa, com grande repercussão na mídia. Bruno Ribeiro e Janaína Araújo, na época cursando Mestrado em Comunicação, se debruçaram sobre a forma como a imprensa tratou o caso, resultando em um artigo que tem sido bem acolhido em eventos acadêmicos. Bruno e Janaína foram entrevistados sobre o assunto pelo repórter Matheus Couto para o Espaço Experimental.

O imaginário e a barbárie – II (ed. 9/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Bruno Ribeiro no estúdio, falando ao microfone durante a entrevista.

Sequestro, estupro e assassinato foram os ingredientes de um caso de violência ocorrido em junho de 2015 no Bairro dos Bancários, em João Pessoa, com grande repercussão na mídia. Bruno Ribeiro e Janaína Araújo, na época cursando Mestrado em Comunicação, se debruçaram sobre a forma como a imprensa tratou o caso, resultando em um artigo que tem sido bem acolhido em eventos acadêmicos. Bruno e Janaína foram entrevistados sobre o assunto pelo repórter Matheus Couto para o Espaço Experimental.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Evento discutiu genocídio da população negra na Paraíba (ed. 2/9/2017)

Descrição para cegos: foto do procurador José Godoy olhando para a câmera. Atrás dele há um painel onde se vê repetida a sigla MPF.
Para cada branco assassinado, morrem 29 negros no estado. Este e outros dados estão na carta resultante do I Seminário Paraibano Sobre o Genocídio da População Negra e Políticas Educacionais. O evento foi promovido pelo Comitê Interinstitucional de Monitoramento e Avaliação das Políticas Públicas e ao Enfrentamento do Genocídio da População Negra em parceria com o Ministério Público Federal. O objetivo do seminário foi fomentar o debate dando voz aos movimentos sociais, mobilizando todos que possam contribuir nessa ação. Na quarta e na quinta-feira foram realizadas palestras que proporcionaram um panorama geral do assunto sob variados pontos de vista. A repórter Luciana Duarte entrevistou José Godoy Bezerra de Souza para o Espaço Experimental. Integrante do Ministério Público Federal, ele é Procurador Regional dos Direitos do Cidadão na Paraíba.



Vereador de Salvador veio à Paraíba discutir o genocídio do povo negro (ed. 2/9/2017)

Descrição para cegos: foto do vereador Sílvio Humberto sorrindo para a câmera.

Sílvio Humberto também é professor da Universidade Estadual de Feira de Santana e Presidente Emérito do Instituto Cultural Steve Biko. Ele foi um dos convidados do II Seminário Paraibano sobre Genocídio da População Negra e Políticas Educacionais. Em sua palestra, Sílvio destacou o caráter estruturante do racismo na sociedade e a força do poder de consumo na exclusão da população negra. O vereador afirmou que o enfrentamento do genocídio negro é uma questão de escolha política, tal qual a solução da corrupção. A repórter Danielle Mendes conversou com Sílvio Humberto sobre a importância de se discutir o enfrentamento do genocídio da população negra.

domingo, 3 de setembro de 2017

Professor questiona descaso com o trabalho acadêmico do cientista negro (ed. 2/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Antônio Baruty olhando para a câmera. Atrás dele há dois banners, podendo-se distinguir no que está à sua esquerda a identificação do Neabi-UFPB

A palestra de abertura do I Seminário Paraibano sobre Genocídio da População Negra e Políticas Educacionais foi proferida por Antônio Baruty Novaes. Nela, o professor expôs a insuficiência de pesquisas sobre a história da população negra. Segundo ele, é necessário mudar a forma como a população negra é abordada nos estudos. O palestrante afirmou que a falácia do negro que só plantou cana faz sumir as primeiras contribuições acadêmicas feitas por esse grupo racial. A repórter Marina Cabral conversou com o professor Antônio Baruty sobre o assunto. Ele é pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afrobrasileiros e Indígenas, o Neabi, e docente do Departamento de Biologia Molecular da UFPB.

Seminário discutiu genocídio físico e simbólico da população negra (ed. 2/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Danilo Santos olhando para a câmera.

A sessão aconteceu durante o I Seminário Paraibano sobre o Genocídio da População Negra e Políticas Educacionais, realizado quarta e quinta-feira. O tema do debate foi Genocídio da População Negra: da força da expressão à expressão da força. Participaram da mesa Danilo Santos, pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-brasileiros e Indígenas da UFPB, o Neabi; Estela Bezerra, deputada estadual do PSB da Paraíba; e Renato Roseno, deputado estadual do Psol do Ceará. Danilo também é professor de História e ativista do movimento social negro. Em sua exposição, ele destacou a intencionalidade genocida que agride a população negra de forma física e simbólica. Segundo Danilo, esse genocídio tem relação com o racismo institucional. O repórter Douglas de Oliveira entrevistou Danilo Santos para o Espaço Experimental.

Fórum de movimentos sociais prepara ações contra a reforma da previdência (ed. 2/9/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Marcelo Sitcovsky sentado em seu escritório, olhando para a câmera.

Representantes de movimentos sociais, sindicatos e partidos políticos se reuniram semana passada para planejar ações contra a reforma da previdência. A mobilização acontecerá na quinta-feira, dia 14, em pontos estratégicos da cidade. O intuito é conscientizar os trabalhadores de João Pessoa sobre o que está sendo proposto na PEC 287. A repórter Thaíse Lourenzo entrevistou um dos coordenadores do movimento, Marcelo Sitcovsky. Ele é Presidente do Sindicato dos Docentes da Universidade Federal da Paraíba, o Aduf-PB.

sábado, 2 de setembro de 2017

A ciranda de Escurinho – I (ed. 2/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Escurinho no estúdio, falando ao microfone.
Neste sábado o Espaço Experimental levou ao ar uma entrevista com o percussionista e compositor Escurinho. Entrevistado pelo repórter Joanderson Almeida, ele falou sobre seus planos, trabalhos recentes e o projeto Ciranda de Maluco. Na entrevista, outra faceta do artista foi esmiuçada: a de arte-educador que realiza oficinas com jovens infratores em unidades socioeducativas de João Pessoa.

A ciranda de Escurinho – II (ed. 2/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Escurinho no estúdio, falando ao microfone.
Neste sábado o Espaço Experimental levou ao ar uma entrevista com o percussionista e compositor Escurinho. Entrevistado pelo repórter Joanderson Almeida, ele falou sobre seus planos, trabalhos recentes e o projeto Ciranda de Maluco. Na entrevista, outra faceta do artista foi esmiuçada: a de arte-educador que realiza oficinas com jovens infratores em unidades socioeducativas de João Pessoa.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Evento discutirá genocídio da população negra e políticas educacionais (ed. 26/8/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Antônio Baruty em um jardim do campus da UFPB.
O I Seminário Paraibano sobre o Genocídio da População Negra e Políticas Públicas Educacionais iniciará na próxima quarta-feira. A promoção é do Comitê Interinstitucional de Monitoramento e Avaliação das Políticas Públicas e ao Enfrentamento do Genocídio da População Negra. O evento, que tem como parceiro o Ministério Público Federal, prossegue até a quinta-feira. O Seminário objetiva um diálogo entre poderes públicos e a sociedade civil. Durante o evento haverá mesas de debates, palestras e será elaborado um documento para o enfrentamento às desigualdades sociorraciais na Paraíba. A repórter Jéssica Soares entrevistou o professor Antônio Baruty sobre o encontro. Ele faz parte do Comitê Interinstitucional que promove o evento.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Falta de políticas públicas aumenta o extermínio de jovens negros (ed. 26/8/2017)

Descrição para cegos: foto da vereadora Sandra Marrocos sorrindo para a câmera.
Na quarta-feira 23, o tema Extermínio de Jovens Negros em João Pessoa foi discutido no Centro de Ciências Sociais Aplicadas da UFPB. A palestra fez parte do II Seminário de Protagonismo Juvenil: Violência, Direitos e Políticas Públicas. O debate objetivou uma reflexão sobre as ações que podem reduzir os índices de homicídios de jovens negros. Foram citadas, como ações necessárias, a criação de um marco regulatório para essa juventude, a adoção de política cultural como ferramenta de transformação e a adoção da escola em tempo integral. Segundo Sandra Marrocos, uma das palestrantes, a ausência de políticas públicas aumenta os indicadores negativos que afetam os jovens negros. Além da vereadora do PSB, participou do debate Olivânia Maria, da Fundac, a Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente. A repórter Maria Clara Lima entrevistou a vereadora Sandra Marrocos para o Espaço Experimental.

Palestra relacionou metodologia de Foucault a questões sociais (ed. 26/8/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Pedro Navarro durante a conferência. Ele fala em um microfone que segura com a mão direita enquanto gesticula com a esquerda, tendo um notebook aberto diante de si.
O Círculo de Discussões em Análise do Discurso promoveu, na última terça, na UFPB, uma palestra sobre o método arquegenealógico de Foucault. Foi ministrada pelo professor Pedro Navarro, da Universidade Estadual de Maringá. Em sua exposição, ele apresentou os conceitos da metodologia usada pelo filósofo Michel Foucault para analisar discursos e intervir na sociedade. Em seguida, associou a teoria a questões como o feminismo, a educação e o padrão estético social. O professor Pedro Navarro é doutor em Linguística pela Universidade Estadual Paulista de Araraquara, em São Paulo e dedica-se a estudar, dentre outros temas, os processos discursivos no contexto escolar e também a relação entre discurso, sentido e mídia. O repórter Douglas de Oliveira entrevistou Pedro Navarro para o Espaço Experimental.

domingo, 27 de agosto de 2017

Professor explica Pedagogia Social através de sua experiência de educador (ed. 26/8/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Alexandre Magno olhando para a câmera. 
De acordo com Alexandre Magno Tavares, o estudo desse ramo da pedagogia ainda é pouco difundido no Brasil e a produção acadêmica a respeito ainda está em construção. Ele tem experiência como educador social no Brasil e na Alemanha. A palestra ocorreu na última quarta-feira, no Centro de Educação da UFPB. Alexandre é mestre em Educação Popular pela UFPB e doutor em Pedagogia Social pela Goethe-Universität, na Alemanha. O repórter Luan Alexandre entrevistou o professor do curso de Licenciatura em Pedagogia na UFPB para o Espaço Experimental.