sábado, 27 de maio de 2017

Orfeu Xamã pelo Grupo Camena – I (ed. 27/5/2017)

Descrição para cegos: cartaz de propaganda o espetáculo Orfeu Xamá. Sobre um fundo negro, se vê no centro uma figura masculina vestindo uma roupa típica dos gregos antigos que consiste de um saiote e uma túnica que deixa o ombro esquerdo nu. O personagem está de costas e seu roste é visível de perfil. Abaixo da figura aparecem o nome do espetáculo, o local e horários.

São 20 anos dedicados à música barroca, em recitais nos quais o público é convidado a desfrutar a sonoridade de instrumentos dos séculos XVII e XVIII. No próximo final de semana, o Grupo Camena volta a cartaz no Centro Cultural São Francisco com Orfeu Xamã – uma fábula em música, obra que revisita o mito do poeta apaixonado que vai ao reino dos mortos resgatar a amada. Sobre o Camena e o espetáculo, a repórter Cibelle Torres entrevistou Ybaney Chasin, diretor e fundador do grupo.

Orfeu Xamã pelo Grupo Camena – II (ed. 27/5/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Ibaney Chasin no estúdio, falando ao microfone enquanto gesticula. 

São 20 anos dedicados à música barroca, em recitais nos quais o público é convidado a desfrutar a sonoridade de instrumentos dos séculos XVII e XVIII. No próximo final de semana, o Grupo Camena volta a cartaz no Centro Cultural São Francisco com Orfeu Xamã – uma fábula em música, obra que revisita o mito do poeta apaixonado que vai ao reino dos mortos resgatar a amada. Sobre o Camena e o espetáculo, a repórter Cibelle Torres entrevistou Ybaney Chasin, diretor e fundador do grupo.


terça-feira, 23 de maio de 2017

Criado comitê para monitorar políticas públicas para negros e indígenas (ed. 20/5/2017)

Descrição para cegos: foto da reunião que criou o comitê. As pessoas estão sentadas em torno de uma grande mesa oval, em uma sala.  
A reunião de implantação aconteceu no último dia 12, no campus da UFPB em João Pessoa. O comitê tem caráter interinstitucional, envolvendo vários setores da sociedade. Entre seus objetivos, além da avaliação das políticas públicas, destacam-se: o enfrentamento do genocídio da juventude negra e a defesa do território quilombola na Paraíba. A iniciativa inspira-se no Cecun, o Centro de Estudos da Cultura Negra, do Espírito Santo. Assim, a Paraíba engaja-se na Campanha Nacional para efetivação do Artigo 26 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação. O artigo determina que a história e a cultura afro-brasileira e dos povos indígenas integrem o currículo escolar dos níveis fundamental e médio. Mais informações com o repórter Rennan Ono.

Projeto Subindo a Ladeira realizou conversatórios sobre arte na educação (ed. 20/5/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Regina Célia Gonçalves sorrindo para a câmera.

Realizados no Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFPB, os conversatórios discutiram a importância da arte na educação. As conversas tiveram início em abril e se encerram neste mês. Os conversatórios foram planejados pelo Subindo a Ladeira, projeto que atua há sete anos na comunidade Porto do Capim, no Varadouro. As ações do projeto contam com participação de pessoas dos cursos de História, Música e Teatro da UFPB. Mais detalhes com o repórter Joanderson Almeida.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Professor lança livro que aborda pensamento político de filósofo italiano (ed. 20/5/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Giuseppe Tosi olhando para a câmera.

Com o livro 10 Lições sobre Bobbio, Giuseppe Tosi apresenta algumas chaves de leitura do pensamento político de Norberto Bobbio. Da produção do filósofo, foram escolhidos temas a partir de afinidades eletivas e da sua relevância para o contexto brasileiro. Bobbio foi um mestre da Filosofia do Direito e da política contemporânea, que procurou uma síntese entre diversas tradições opostas. O livro integra a coleção 10 Lições Sobre, da Editora Vozes, que apresenta filósofos essenciais para a história. A repórter Thaíse Lourenzo entrevistou o Doutor em Filosofia Giuseppe Tosi sobre o livro.

domingo, 21 de maio de 2017

Vice-presidente nacional do PC do B lançou livro sobre crise brasileira (ed. 20/5/2017)

Descrição para cegos: foto de Walter Sorrentino olhando para a câmera.

O lançamento aconteceu na última quarta-feira, no Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFPB. No evento, Walter Sorrentino apresentou o livro, intitulado Anos que vivemos em perigo – A Crise Brasileira. Ele reúne textos que tratam da conjuntura política do Brasil publicados no blog do próprio autor, entre o início de 2015 e o final de 2016. O evento também contou com uma mesa redonda, que debateu os principais aspectos que envolvem a política brasileira na atualidade. Segundo Walter, não há outro caminho para construir resistência democrática no Brasil se não houver a união de forças com um objetivo comum. O repórter Vitor Feitosa entrevistou Walter Sorrentino para o Espaço Experimental.

Filho de Jango transforma suas memórias em livro (ed. 20/5/2017)

Descrição para cegos: foto de João Vicente autografando um exemplar do livro na mesa de lançamento. Em primeiro plano aparece um exemplar da obra em pé sobre um suporte, em cuja capa se vê o autor criança no colo do seu pai.

A obra, escrita e lançada por João Vicente Goulart 40 anos após a morte de seu pai, relata o exílio vivido por Jango e sua família. Em Jango e Eu, o filho do ex-presidente pretende apresentar ao leitor a parte humana do seu pai enquanto narra histórias da ditadura. João Vicente está percorrendo várias cidades do Brasil para lançar o livro. Na última quarta-feira, foi a vez de João Pessoa. O autor veio à Paraíba para participar de um evento do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos, Cidadania e Políticas Públicas da UFPB. A repórter Cibelle Torres conversou com o filho de Jango sobre a proposta do livro.

Recital na UFPB aborda relação do silêncio com a música (ed. 20/5/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Pedro Bielschowsky sentado, com o violoncelo e o arco na posição de execução. Ele está falando, olhando para a sua direita. Atrás dele vê-se parte de um piano.

A apresentação acontece neste domingo, na Sala de Concertos Radegundis Feitosa, a partir das 17 horas. Destina-se à concessão do doutorado na área de Práticas Interpretativas a Pedro Bielchowsky, no Programa de Pós-Graduação em Música da UFPB. É orientado pelo professor Felipe Avellar de Aquino e intitula-se O Silêncio na Música. O violoncelista Pedro Bielchowsky se apresenta com colaboração da pianista Luciana Noda. O repertório é formado por obras de Beethoven, John Cage, Volker David Kirchner, Astor Piazzolla e Liduíno Pitombeira, explorando a relação destes com o silêncio na música. O repórter Matheus Couto conversou com Pedro Bielschowsky, que é professor da Universidade de Brasília e doutorando deste projeto, a respeito do estudo.

sábado, 20 de maio de 2017

Formandos em Teatro preparam peça para conclusão do curso (ed. 20/5/2017)

Descrição para cegos: foto de uma cena da peça. No centro destaca-se um ator de cócoras com um chapéu de couro de onde saem longos chifres. Ele segura uma caveira de bovino. Ao fundo há outro ator, de pé, olhando para a frente, tendo, atrás de si, uma cortinha feita de retalhos.

Os alunos estão produzindo a peça Agreste Malva-Rosa como atividade da disciplina de Estágio Supervisionado de Montagem Teatral. A ideia é aplicar toda as habilidades desenvolvidas no curso e utilizá-las em uma montagem profissional, mesclando a teoria com a prática. A partir do texto do dramaturgo Newton Moreno, a montagem é desenvolvida com quatro atores no palco, interpretando todos os personagens. Os alunos vão se apresentar na próxima sexta, no Teatro Lampião, no Centro de Comunicação, Turismo e Artes, na UFPB. A repórter Bruna Cairo tem mais informações sobre a montagem da peça Agreste Malva-Rosa.

Atuação de ONGS ambientais é mais eficiente do que políticas públicas (ed. 20/5/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Gustavo Lima sorrindo para a câmera. Atrás dele há uma planta de folhas largas e uma parede de tijolos, com uma janela protegida por vidro e cortina.

Uma pesquisa coordenada pelo professor Gustavo Lima analisou a atuação dessas organizações em João Pessoa nos últimos 20 anos. Foram entrevistados representantes de oito ONGs ambientais que trabalham com temáticas educacionais, culturais e de cidadania. A pesquisa constatou que, por vivenciarem os problemas de perto e cotidianamente, a contribuição das ONGs é mais eficiente que as políticas públicas. Por outro lado, a principal dificuldade de atuação dessas organizações é financeira. Gustavo Lima, docente do Departamento de Ciências Sociais da UFPB, foi entrevistado pela repórter Duda Campos.


terça-feira, 16 de maio de 2017

João Vicente Goulart é convidado especial de evento na UFPB (ed. 13/5/2017)

Descrição para cegos: cartaz de divulgação do evento. É ilustrado com a capa do livro, que tem uma foto de João Goulart sentado, de sandálias, calças arregaçadas, conversando com seu filho João Vicente que está no seu colo. O ex-presidente tem os pés apoiados em uma pequena mesa. 

O ex-deputado e filho do presidente João Goulart participará de uma série de atividades esta semana na capital paraibana. A organização é do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos, e do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos da UFPB. O evento Resistir ao Esquecimento: encontro com João Vicente Goulart ocorrerá desta quarta até sexta-feira. Mais informações com a repórter Marisa Rocha.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Professor destaca a importância do campesinato na Revolução Russa (ed. 13/5/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Marco Mitidiero olhando para a câmera. É noite e atrás dele há alguns carros e luzes em um estacionamento do campus.

No ano que a revolução russa completa cem anos, o protagonismo do camponês é destacado. O professor Marco Mitidiero ressalta esse protagonismo para as revoluções sociais, tais como a de Canudos, a chinesa e a da Nicarágua. O docente do Departamento de Geociências enfatiza a importância do processo revolucionário na Rússia para países como o Brasil. Mais detalhes com a repórter Fernanda Barreto.

Evento do Neabi discutiu produção acadêmica sobre negros e indígenas (ed. 13/5/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Solange Rocha olhando para a câmera. Atrás dela há um monitor de computador e um teclado sobre uma mesa.

A mesa redonda Conhecimento, debate e reflexões sobre população negra e povos indígenas aconteceu na última terça-feira. Teve como expositores a professora Cláudia Lago, do Departamento de História, e o professor Estevão Palitot, do Departamento de Ciências Sociais do campus do Litoral Norte. A mediação foi de Helainy Lira, do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-Brasileiros e Indígenas, o Neabi-UFPB. Segundo Solange Rocha, coordenadora do núcleo, o debate teve como objetivo dar visibilidade às questões sociais estudadas pelo Neabi e faz parte das atividades programadas para este semestre buscando divulgar a produção acadêmica da área. A professora Solange foi entrevistada pela repórter Duda Campos para o Espaço Experimental.

domingo, 14 de maio de 2017

Mulher negra será tema de evento promovido por alunos de Relações Públicas (ed. 13/5/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Fellipe Brasileiro olhando para a câmera. Atrás dele há algumas árvores e carros do estacionamento do CCTA.

Na próxima quarta-feira, esses estudantes realizam o evento Mulher Negra em Foco, que acontece no Centro de Comunicação, Turismo e Artes da UFPB. Ele tratará a questão do preconceito e de como a mulher negra é vista na sociedade. O evento está sendo coordenado pelo professor do Departamento de Comunicação Fellipe Brasileiro. Segundo ele, o objetivo é contribuir para desconstruir a representação da mulher negra que vem sendo feita pela mídia. Mais informações com o repórter Vitor Feitosa.

Cultura de quilombo-indígena foi tema de evento em João Pessoa (ed. 13/5/2017)

Descrição para cegos: foto da antropóloga Larissa Isidoro posando com um peça da exposição, que é um manequim de uma criança vestida com roupa típica do quilombo. Larissa tem o braço direito em volta dos ombros da peça. Atrás dela há vários quadros da mostra, parcialmente visíveis.

O evento aconteceu no último dia 6, na Estação Cabo Branco, e contou com apresentações culturais e roda de diálogo. Seguindo a programação, foi inaugurada a mostra Tiririca dos Crioulos: pessoas fortes na luta, que permanece até o final de junho e faz parte do projeto-ação Do Buraco ao Mundo. A iniciativa atua desde 2014 no quilombo-indígena Tiririca dos Crioulos, localizado no município de Carnaubeira da Penha, em Pernambuco. A ação visa o fortalecimento cultural através do resgate da história do povoado. Mais detalhes sobre o evento com o repórter Joanderson Almeida.