terça-feira, 17 de outubro de 2017

A literatura feminina – I (ed. 14/10/2017)

Descrição para cegos: foto da escritora Ana Adelaide Peixoto falando ao microfone, no estúdio, durante a entrevista.
Semana passada, quando se realizou aqui em João Pessoa o 1º Encontro Nacional do Mulherio das Letras, o Espaço Experimental discutiu a literatura de autoria feminina, que cresce e se impõe apesar das interdições e preconceitos. Foram convidadas para falar sobre o assunto as escritoras Ana Adelaide Peixoto e Letícia Palmeira. A produção foi de Gabriela Güllich, Luíza Araújo e Marina Cabral.

A literatura feminina – II (ed. 14/10/2017)

Descrição para cegos: foto da escritora Letícia Palmeira no estúdio, falando ao microfone. Atrás dela veem-se alguns alunos assistindo à entrevista.

Semana passada, quando se realizou aqui em João Pessoa o 1º Encontro Nacional do Mulherio das Letras, o Espaço Experimental discutiu a literatura de autoria feminina, que cresce e se impõe apesar das interdições e preconceitos. Foram convidadas para falar sobre o assunto as escritoras Ana Adelaide Peixoto e Letícia Palmeira. A produção foi de Gabriela Güllich, Luíza Araújo e Marina Cabral.

domingo, 15 de outubro de 2017

O movimento separatista de 1817 – I (ed. 14/10/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Serioja Mariano no estúdio, durante a entrevista.
Faz dois séculos que a partir da Paraíba e Pernambuco, lideranças insatisfeitas com a sujeição do Brasil à coroa portuguesa tentaram implantar uma república no nordeste brasileiro, movimento que ficou conhecido como Revolução de 1817. Sobre o assunto o Espaço Experimental entrevistou a professora Serioja Mariano, do Departamento de História da UFPB, doutora em História com estudo sobre as oligarquias da Paraíba no período em que eclodiu o movimento. A produção foi de Douglas de Oliveira.

O movimento separatista de 1817 – II (ed. 14/10/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Serioja Mariano no estúdio, durante a entrevista.
Faz dois séculos que a partir da Paraíba e Pernambuco, lideranças insatisfeitas com a sujeição do Brasil à coroa portuguesa tentaram implantar uma república no nordeste brasileiro, movimento que ficou conhecido como Revolução de 1817. Sobre o assunto o Espaço Experimental entrevistou a professora Serioja Mariano, do Departamento de História da UFPB, doutora em História com estudo sobre as oligarquias da Paraíba no período em que eclodiu o movimento. A produção foi de Douglas de Oliveira.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Livro discute política e a cultura do brega pernambucano (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Thiago Soares sorrindo para a câmera.
No seu novo livro, o professor Thiago Soares aborda o caráter político do brega e a sua presença na cultura pernambucana. A obra Ninguém é Perfeito e a Vida é Assim surge no meio da discussão sobre a Lei do Brega. A Lei estabelece uma cota de participação do gênero nos eventos culturais do estado. Thiago Soares é jornalista e professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da instituição. Mais informações com a repórter Jéssica Xavier.

Pesquisa avalia como jornalismo digital é abordado na academia (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Cláudia Quadros olhando para a câmera. Atrás dela vê-se um espaço amplo, bem iluminado, onde circulam pessoas e se realiza uma feira de livros.
O trabalho está sendo feito pela professora Cláudia Quadros, da Universidade Federal do Paraná. Com essa avaliação, ela pretende entender como as pesquisas nas instituições brasileiras de ensino tratam o ciberjornalismo. O projeto de pesquisa tem como objetivo avaliar todas as teses e dissertações de programas de pós-graduação em Comunicação do Brasil. A análise envolve universidades públicas e privadas e a primeira fase da pesquisa foi concluída no Sul do país. Em entrevista à repórter Marina Cabral, a pesquisadora explicou a proposta. Cláudia Quadros é professora de Comunicação Social na UFPR.


segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Professor explica atividades da galeria de artes do CCTA (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto da placa da galeria. Nela aparece a palavra "galeria" escrita na vertical, seguida da imagem do desenho da ave e, em seguida, com letras manuscritas, na horizontal, a palavra "lavandeira".

A Galeria Lavandeira é um espaço para exposições artísticas na Universidade Federal da Paraíba. Ligada no Centro de Comunicação, Turismo e Artes, recebe obras tanto de alunos do curso de Artes Visuais, quanto das demais graduações. A repórter Gabriela Güllich entrevistou o professor Gabriel Bechara, docente do Curso de Artes Visuais e um dos gestores do espaço.


Pesquisa descreve situação de crianças e mães encarceradas na Paraíba (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto de Alice Maria Ramos sorrindo para a câmera.
Alice Maria Santos Ramos é a autora do trabalho intitulado Cárcere e Infância: o direito das crianças de mães encarceradas. A advogada realizou a pesquisa para obtenção do título de Mestre em Direitos Humanos pela Universidade Federal da Paraíba. O estudo abordou a situação do Centro de Reeducação Feminina Maria Júlia Maranhão. Mais informações com o repórter Cephas Castro.

domingo, 8 de outubro de 2017

Evento busca desconstruir imagem da mulher muçulmana oprimida (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto de Wéllida Karla Bezerra sorrindo para a câmera. Ela usa um véu colorido cobrindo todo o cabelo.
O I Encontro de Mulheres Muçulmanas ocorrerá na próxima terça-feira, no auditório do Centro de Educação na UFPB. Coordenado pela professora Wéllida Karla Bezerra, busca desmitificar preconceitos acerca da religião islã, principalmente os que envolvem mulheres. A inciativa é do Programa de Pós-Graduação em Ciência das Religiões da UFPB, do qual Wéllida é doutoranda. Mais informações com a repórter Carolina Jurado.

Seminário debateu violência contra indivíduos LGBT (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto de Daniela Santa Brígida sendo entrevistada. Diante dela aparece uma mão segurando um smartphone próximo à sua boca.
O I Seminário Nacional de Bissexuais ocorreu nos dias 22 e 23, no Campus da UFPB em João Pessoa. Na abertura do evento, foi discutido o tema Bissexualidades, suas tipificações e intersecções nas manifestações da bifobia. Os debatedores foram Daniela Santa Brígida, integrante da Articulação Brasileira de Lésbicas, e Alex Ku Tse, do Coletivo Primavera Bi. Mais informações com o repórter Cephas Castro.

Minicurso expôs avanço do ativismo virtual contra o machismo (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Margarete Almeida na sala de aula, sorrindo para a câmera. 
Ministrado pela professora Margarete Almeida, o minicurso Mulheres para Hackear o Patriarcado ocorreu segunda e terça-feira na UFPB. Teve como principal tema a importância do feminismo em redes virtuais como auxílio para mulheres em situação de violência de gênero. As participantes conheceram campanhas cibernéticas contra o machismo e a homofobia, como as hashtags #nemumamenos e #primeiroassédio. A repórter Laís Suassuna entrevistou Margarete Almeida, professora do curso de Jornalismo da UFPB. Ela é Coordenadora do GEM, Grupo de Estudo e Pesquisa em Gênero e Mídia.

sábado, 7 de outubro de 2017

Evento na UFPB discutiu inadequação da reforma da previdência (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Marcos Serau olhando para a câmera. Atrás dele, aparece a porta de entrada do hall da reitoria da UFPB.
O seminário Reforma da Previdência: aspectos jurídico, econômico e demográfico ocorreu segunda-feira, no auditório da Reitoria. Foi promovido pelo projeto de extensão Aspectos Fundamentais da Previdência no Brasil. Teve o apoio da OAB, da Aduf-PB e do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário. Os convidados discutiram a incompatibilidade da reforma com a realidade brasileira. Compuseram a mesa os professores Marcos Aurélio Serau Júnior, da Universidade Federal do Paraná; Luana Junqueira Dias Myrrha, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte; e Marcelo Sitcovsky, da UFPB. Em sua exposição, o professor Marcos Serau ressaltou a inconstitucionalidade de vários aspectos propostos na reforma. Tratou ainda das reduções das pensões por morte e aposentadorias especiais e rurais, além do processo de desmonte da previdência pública. O repórter Samuel Amaral entrevistou o professor Marcos Serau para o Espaço Experimental. Ele é da diretoria do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário.

Evento do curso de Relações Internacionais discutiu sustentabilidade (ed. de 7/10/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Henrique Menezes olhando para a câmera.
Trata-se da VI Semana Acadêmica de Relações Internacionais, que ocorreu da terça a sexta-feira desta semana, na UFPB. As discussões foram norteadas pelos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, lançados pela da ONU em 2015. O professor Henrique Menezes, que participou da organização do evento, concedeu entrevista ao repórter Luan Alexandre. Ele é chefe do Departamento de Relações Internacionais na UFPB.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Estudo analisa atuação do ministério público em ações contra anistia de torturadores (ed. 30/9/2017)

Descrição para cegos: foto de Heloísa Clara sorrindo para a câmera.
O trabalho foi realizado por Heloísa Clara Gonçalves, no Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos da UFPB. A pesquisa estudou as ações judiciais propostas pelo Ministério Público contra militares que cometeram crimes na época da ditadura. Em 1979, já no findar do regime militar brasileiro, foi editada a Lei da Anistia. Ela perdoou os crimes considerados políticos e os crimes praticados por funcionários públicos e militares para manutenção do regime. A repórter Luciana Duarte entrevistou Heloísa Clara para o Espaço Experimental.

Evento na UFPB discutiu atualidade social e política de Guiné-Bissau (ed. 30/9/2017)

Descrição para cegos: foto de uma das mesas de debate do evento, com professores e convidados. À direita se vê um banner com a marca do Neabi e, à esquerda, as bandeiras do Brasil, de Guiné-Bissau e da UFPB. 
A quarta edição da Comemoração da Independência da Guiné-Bissau ocorreu de 21 a 23 de setembro. O evento foi uma realização da comunidade guineense da UFPB com o apoio do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-brasileiros e Indígenas – o Neabi. O aniversário de independência do país africano foi comemorado com palestras, debates e mostras cultural e gastronômica. A repórter Jéssica Soares tem mais informações.